Portal de Notícias e Web Rádio 

* Quem esteve em Poços de Caldas nesta segunda-feira, para um encontro com os vereadores Marcelo Heitor, Regina Cioffi e Ricardo Sabino, foi o deputado federal Eros BIondini, filiado ao mesmo partido de Marcelo e Ricardo. O deputado veio trazer seu apoio as pré-candidaturas de Marcelo Heitor e Regina Cioffi (PP), para o comando da prefeitura e Ricardo Sabino, para mais um mandato na Câmara Municipal.

* Falando em candidaturas, uma fonte que merece crédito garante que apesar do movimento para o lançamento de Paulo Tadeu para disputar mais uma eleição de prefeito, a tendencia dos petistas é de se unirem ao pré-candidato Eloisio do Carmo Lourenço (PSDB), lançando o candidato a vice na sua chapa.

* Ainda sobre nomes para disputa de vice-prefeito, pelos lados do MDB, vem crescendo a possibilidade da ex-diretora de fomento industrial, da SEDET, Diva Funchal, ser indicada como candidata a vice de Ulisses Guimarães. Diva está em viagem pelo exterior e contaria para a disputa com os apoios do deputado estadual Rodrigo Lopes, de quem é assessora, e também do deputado federal Rafael Simões.

* O desenvolvimento de estratégias bem-definidas para estabelecer o diálogo e conquistar a confiança do eleitorado evangélico será vital para ampliar a base de votos e garantir a sobrevivência de candidaturas majoritárias durante o pleito municipal deste ano. A avaliação é de especialistas em ciência política e direito eleitoral, que consideram ter se tornado “praticamente obrigatório” que postulantes às prefeituras mantenham algum tipo de interlocução com fiéis dessa denominação religiosa, que podem ter peso decisivo na balança eleitoral.

* Embora procure mostrar tranquilidade, para não impulsionar o assunto, quem convive com o prefeito Sérgio Azevedo garante que além de uma certa revolta por estar sendo alvo de um processo de cassação do seu mandato sem fundamento, o chefe do executivo não acredita que a Câmara Municipal, reúna os votos suficientes para concretizar a cassação do seu mandato que tem pela frente pouco mais de seis meses. “É um jogo para tentar desgastar a imagem do governo”, costuma dizer o alcaide de plantão que sempre que possível evita tocar no assunto.