* Na reunião de terça-feira, o líder da bancada da situação, vereador Flavinho (PSDB), fez um alerta ao vereador Lucas Arruda (Rede), quando este falou da incompetência do governo municipal, ao criticar o setor de saúde da prefeitura. “Não é só o secretário de saúde, o prefeito, existe uma comissão de técnicos formada por funcionários de carreira da secretaria e que estão tomando decisões corretas junto com o comitê de gerenciamento do Covid-19 com muita competência”, disse o líder.

* A Assembleia Legislativa de Minas Gerais oficializou, nesta quinta-feira, a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar possíveis irregularidades no uso de vacinas antiCOVID-19 para imunizar servidores da secretaria de Estado de Saúde que não atuam na linha de frente. O próprio chefe da pasta, Carlos Eduardo Amaral, admitiu ter recebido a injeção “para dar o exemplo”.

* O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), afirmou ontem à noiteque afastou o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral. Medida foi tomada após fura-fila na vacinação, por conta de sua própria imunização contra a Covid-19 e de mais 805 servidores da pasta.

* “Comunico o afastamento do Dr. Carlos Eduardo da Secretaria Estadual de Saúde. Agradeço o trabalho que realizou à frente da secretaria, em especial no combate à pandemia e na gestão para a futura retomada das obras dos Hospitais Regionais no Estado”, escreveu o governador em suas redes sociais. O número de vacinados no fura-fila da Secretaria de Saúde de Estado é maior que a população de 712 cidades mineiras.

* O prefeito de Betim, Vittorio Medioli (PSD), anunciou em suas redes sociais, nesta quinta, a compra de 1,2 milhão de doses da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19. O imunizante tem eficácia de 91,6% contra as formas sintomáticas da doença, e os resultados dos estudos foram publicados na revista científica “The Lancet” e validados por especialistas independentes. A vacina é fabricada pela União Química, empresa do empresário Fernando Marques, amigo dos ex-deputados Carlos Mosconi e Geraldo Thadeu, que continua no posto de conselheiro na direção da empresa.

* Passados 20 anos de sua administração, o ex-prefeito Paulo Tadeu não soube informar se em sua época recebeu férias, mas disse que tem convicção de que não. “Eu era muito cuidadoso. Nós não recebíamos 13° na época e eu fiquei dois anos e 9 meses sem reajustar os salários dos secretários e do prefeito. Eu praticamente não tirei férias, trabalhei muito nos 4 anos, tirava férias formalmente, mas continuava trabalhando”, disse o ex-prefeito, que não foi beneficiado com pagamento de férias durante seu mandato.