* Temos insistido na necessidade de uma união de forças na politica local por entendemos que só dessa forma conseguiremos recolocar Poços de Caldas no lugar que ela merece como a principal cidade da região e a mais bela e acolhedora estância turística do país. Estamos indicando o caminho que entendemos seja o correto para que as lideranças politicas do município deixem de lado divergências menores quando o assunto diz respeito ao coletivo da população. Que desçam de seus pedestais e com uma dose de humildade caminhem juntas, no mesmo sentido. A eleição municipal passou e a próxima eleição, para escolha dos deputados está longe. A cidade precisa estar acima de interesses pessoais.

* Dificilmente o projeto que impõe o uso de máscaras de proteção contra o coronavirus, por meio de multas aos infratores voltará a pauta das discussões na Câmara, mesmo após algumas emendas serem inseridas no texto do projeto. E se não retornar será um alivio tanto para os vereadores para evitar novos embates desgastantes em plenário como para o executivo que ficaria com a obrigação de fazer cumprir a lei colocando os agentes de saúde em confronto direto com pessoas que se negam a usar a proteção.

* Comerciantes reclamam, e com razão, do fato de estarem pagando o pato por uma coisa que não tem culpa. Afinal de contas, o fechamento do comércio e a proibição da venda de bebidas alcoólicas prejudicou a todos sem que o comitê de gerenciamento da pandemia tenha feito qualquer pesquisa entre os contaminados pelo vírus, para saber qual o local que frequentaram e onde podem ter contraído o vírus. Quem garante que foi nos restaurantes, nas lanchonetes ou em qualquer outro tipo de comércio onde as normas sanitárias estão sendo cumpridas?

* Segundo depoimento do fisioterapeuta João Carlos Naldoni Júnior, que trabalha no hospital santa Lúcia, a maioria dos pacientes internados ou que já passaram pelo hospital contraiu o vírus por meio de contato com pessoas, jovens principalmente, que participaram de festas ou estiveram em algum tipo de aglomeração e levaram o vírus para dentro de casa. Não foi em restaurantes ou mesmo em estabelecimentos comerciais que seguem as regras sanitárias.

* Um balanço da Confederação Nacional de Municípios mostra que 71,14% das prefeituras brasileiras estão irregulares na situação cadastral junto a União para efeitos de repasses federais, e 28,86% estão regulares. Minas Gerais é o Estado que tem mais cidades em situação ok (49,47% de 853 cidades), enquanto no Amazonas somente 4,84% estão em dia com cadastro – do total de 62 municípios.

* O vereador democrata Wellington Paulista, preocupado com pacientes que mesmo curados da Covid-19 continuam apresentando problemas respiratórios, está sugerindo ao Executivo, através de requerimento, a implantação de um centro de referência para reabilitação pós-covid. A ideia, segundo ele, é beneficiar aqueles que não têm planos de saúde e que precisam da ajuda de diversos profissionais para se recuperar através de atendimento multidisciplinar, com olhar individualizado e acompanhamento progressivo.

* De acordo com a Prefeitura desde 26 de março os leitos de UTI para Covid-19 estão 100% ocupados, no entanto não há filas de espera, conforme tem sido divulgado nas redes sociais e por alguns vereadores. Segundo informou o secretário de Comunicação, Paulo Ney, toda a vez que um leito é liberado, ele é disponibilizado para pacientes que estão aguardando em qualquer unidade de Poços e quando não há espera, o SUS Fácil fica com o leito. “Pode ocorrer espera, mas geralmente no mesmo dia ou em poucas horas é feita a internação”, garantiu o secretário.