Se não fosse a pandemia do novo coronavírus, Congos e Caiapós desceriam juntos da Fonte dos Amores na tarde desta terça-feira, 11 de maio, na Retirada dos Caiapós do Mato, cerimônia realizada tradicionalmente no antepenúltimo dia da Festa de São Benedito.

De acordo com o Dossiê de Registro do Bem Imaterial Festa de São Benedito de Poços de Caldas, da Divisão de Patrimônio Construído e Tombamento, de novembro de 2020, “os Congos com seus tambores e demais instrumentos vão buscar os Caiapós que estão previamente escondidos na mata e levam-nos até a imagem de São Benedito”.

Tendo como cenário a Fonte dos Amores, aos pés da Serra de São Domingos, a Retirada dos Caiapós do Mato resgata o encontro entre negros e índios. Teatralmente, a retirada representa o encontro de um grupo de caiapós, remanescente de 1905 do bairro Vila Cruz, com os ternos de congo.

“A retirada dos caiapós do mato significa compartilhamento, um agradecimentos dos negros aos índios que sempre deram acolhida aos escravos, foragidos das senzalas, machucados e com fome. O índio sempre foi um protetor dos negros fugidos, dava acolhida, curava e alimentava. Existe uma troca muito linda da coroa e do cocar, que é o símbolo maior do poder dos caiapós. Essa troca significa igualdade”, explica Ailton Santana, o Mestre Bucha, em depoimento ao documentário “13 de Maio – A Festa de São Benedito, fragmentos de uma história”, idealizado pela Criativa Idade Sistema Educacional e produzido pela Takes Filmes, sob direção de China Trindad.

A história representada relembra o momento em que os negros, em retribuição à acolhida dos índios durante suas fugas, vão até a mata para convidá-los para a Festa de São Benedito. A celebração acontece desde 1889 e é um dos momentos mais emocionantes e significativos da programação cultural da Festa de São Benedito. Após a “retirada”, os Caiapós e os Ternos de Congos percorrem as ruas da cidade até à Igreja de São Benedito.

A Retirada dos Caiapós do Mato integra a programação cultural da Festa de São Benedito, juntamente com o Dia de Santa Cruz (3 de Maio) e com as celebrações de 13 de Maio, que incluem a Missa Conga e a procissão.